Opinião/Review - "Sorrisos Quebrados" de Sofia Silva - Editorial Presença

Bom dia Novelitos!

Finalmente estou de volta e trago-vos a primeira opinião deste novo ciclo.



Sinopse

Mais de 1 milhão de leituras na plataforma online Wattpad em apenas 1 ano Paola está num momento chave da sua vida. Vai ter de decidir se quer continuar a viver ou se vai deixar-se morrer às mãos do homem por quem um dia se apaixonou e com quem veio a casar. Como foi possível que aquele homem bem parecido, poderoso e deslumbrante se tornasse no monstro que a está a destruir? Mas Paola decide viver. 

E, no mais improvável dos lugares, vai encontrar de novo a luz e descobrir que, afinal, é possível amar outra vez. Sorrisos Quebrados marca a estreia de Sofia Silva na escrita de ficção. Um romance sobre violência doméstica, abuso sexual e as segundas oportunidades que a vida por vezes reserva.


Opinião

Estive a ponderar durante algumas horas se deveria ou não escrever esta opinião, no entanto, acho que é importante que diferentes perspectivas devam ser tidas em conta quando se vai ler um livro que se tornou um fenómeno intercontinental.
Sorrisos Quebrados é um livro que aborda temas bastante complexos e difíceis de digerir de uma forma muito leve, isto é, a escrita da autora permite que o leitor rapidamente consiga ler este livro sem que se sinta nauseado com o conteúdo.
Para quem não sabe, este livro, antes de chegar às livrarias, foi publicado numa plataforma virtual chamada Watpadd (a qual eu sigo e estou bastante familiarizada com a mesma), assim sendo, a sucessão dos capítulos é bastante rápida e o final do cada capitulo deixa o leitor à espera do seguinte. Esta característica é bastante típica da plataforma onde foi publicado porque os autores vão publicando capitulo a capitulo e não a obra por inteiro, como tal é necessário que os leitores se sintam sempre curiosos e com vontade de continuar a descobrir a estória que está a ser partilhada.
Apesar da escrita poética e leve que impera durante a narrativa, não posso dizer que este livro me tenha enchido as medidas como esperava.
Acho-o de certa forma surreal, existem situações que não correspondem à realidade e são romanceadas para facilitar a evolução rápida da narrativa.
Passo a explicar o meu ponto de vista:
- Uma criança traumatizada como a que nos é descrita no livro, nunca iria criar uma ligação forte com uma desconhecida no primeiro dia que entra em contacto com a mesma. Por muito que nos pareça que é bonito e que é possível, não o é e eu sofri-o na pele durante 2 meses. Não se trata da forma como se aborda a criança, trata-se de como ela vê o mundo e como a sua confiança tem de ser conquistada pouco a pouco. Não há magia, há tempo, esforço, dedicação e uma grande dose de paciência. Entendo que os leitores simpatizem com esta relação, mas para mim não funcionou porque não acho que corresponda à realidade. Apesar de gostar imenso da personagem Sol, não posso dizer que a sua construção estivesse completamente bem feita, existem falhas, mas não sou ninguém para as apontar, é apenas a minha opinião.
- Existem momentos em que a protagonista sofre abusos físicos sucessivos, o que seria de esperar tendo em conta o tema do livro, no entanto, não posso dizer que, principalmente, o prólogo me tenha emocionado ou chocado porque não entendo como uma pessoa sobrevive a tanta pancada sucessiva mantendo-se consciente e completamente racional para responder ao agressor. Não estamos a falar de estalos ou de pontapés, estamos a falar de violência física com o auxílio de objetos e outras intervenções que posso revelar sob pena de ser spoiler. Existem traços da personalidade dela que não me fazem criar uma ligação com a mesma o que acabou por tornar um pouco difícil a minha integração na estória. Há um par de coisas que não entendo e decisões/comportamentos que não consigo associar a uma personagem com um passado tão sofrido.
- A relação entre os protagonista é muito, mas muito repetitiva. Apesar de os achar extremamente queridos um para o outro, senti que me estavam a aborrecer porque os acontecimentos acabavam por se tornar previsíveis. Acho que teria imenso por onde crescer, no entanto, ficou no mesmo ciclo inicial que se foi construindo a partir da primeira interação entre os dois.
- Para quem não gosta de ler texto em Português do Brasil, poderá encontrar no livro algumas palavras ou expressões que quebrem um pouco a leitura. Não tenho rigorosamente nada contra, mas faltou uma revisão mais cuidada sob o texto. O livro foi publicado em primeiro lugar no Brasil e como tal é natural que tenha sido adaptado ao público alvo com algumas expressões características, no entanto, sendo que o livro foi posteriormente publicado cá e a autora é portuguesa acho que deveriam ter revisto totalmente o texto para não ficar uma mistura de dois idiomas/expressões idiomáticas desnecessariamente.
Confesso que fiquei mais interessada em compreender/saber o passado dos personagens do que propriamente o momento presente em que se debatiam sobre a sua relação e a forma como a iriam conseguir viver.
De salientar que também houve partes das quais gostei. Achei muito interessante ver algumas técnicas de pintura explicadas e exploradas sob o ponto de vista de adulto- criança e a criação de uma clínica de reabilitação que permitia que os seus habitantes recebessem não só tratamentos, mas a possibilidade de viver uma vida quase normal rodeada de pessoas que os entendem e aceitam pareceu-me bastante pertinente e enriqueceu a narrativa.
Sorrisos Quebrados é um livro de fácil leitura quase poético e cheio de pequenas ou grandes frases que nos fazem ponderar sobre a nossa vida e algumas das nossas escolhas. É um livro para qualquer pessoa, mas que poderá não agradar a todo o público. Não esperem chorar, não esperem ficar completamente rendidos só por olhar para a capa. leiam-no sem expetativas e de coração aberto para que a vossa opinião seja fiel ao vosso pensamento.
O livro não é de todo um livro mau, tem apenas algumas falhas que para mim me fizeram sentir um pouco desiludida com o mesmo, no entanto, se procuram um livro que vos faça sair da vossa ressaca literária tenho a certeza que este é uma boa opção. 
Leve, simples, ligeiramente poético e com algumas ilustrações, Sorrisos Quebrados, é um livro que prende o autor pela sua simplicidade.

Passatempo Hello Kitty - L Store Handmade & Emaranhado de Palavras

Boa noite, Novelitos!


Como já tinha anunciado há uns dias na página vamos ter novo giveaway e desta vez prometo que o vencedor/a vai ver chegar a sua casa uma caixinha carregada de docinhos!

Para quem ainda não conhece, a L Store é uma lojinha online que se dedica a trazer-nos um bocadinho da cultura asiática através do nosso paladar! Nela poderão encontrar informação sobre vários produtos e fazer a encomenda de uma ou mais caixinhas surpresa que vos farão viajar pela cultura asiática.
Deixo-vos aqui as opções de escolha relativamente às caixinhas que se encontram disponíveis até ao momento:


Devo dizer-vos que os portes são totalmente gratuitos e que se falarem com a menina responsável poderão até escolher alguns dos produtinhos que a vossa caixa irá conter. Qualquer dúvida que tenham não hesitem em contactar ou explorem a página de facebook para obterem mais informações!
Aqui fica o link da página (basta carregar em cima do nome) L Store Handmade

Para ajudar a página a crescer e para vos dar a oportunidade não só de a conhecerem, mas também de provar alguns produtinhos, lanço agora o 1º giveaway de snack box! O tema deste giveaway é a Hello Kitty como alguns de vocês já descobriram pelo teaser!
Como podem ver na imagem é um giveaway muito fofinho e com produtos diversificados, não percam a oportunidade de participar e tentarem a vossa sorte! Sejam gulosos!!!






Desejo-vos muitaaa sorte e não se esqueçam de cumprir todas as regras do rafflecopter!





Regras do passatempo:

 - É obrigatório ser seguidor do blogue;
- É obrigatório gostar das páginas do blogue e da LStore;
- Podem participar 1 vez por dia desde que façam uma nova partilha;
- Os autores, parceiros e blogue não se responsabilizam por eventuais extravios do prémio;
- Podem participar pessoas de Portugal Continental e das ilhas;
- O sorteio será efectuado através do Rafflecopter, o vencedor será contactado em seguida e terá 2 dias para responder ao email, caso não o faça, o prémio será atribuído a um novo vencedor;
- O passatempo começa hoje e termina no dia 1 de março pelas 12h.



Opinião - " Todos os caminhos" de Clara Pinto Correia - O Castor de Papel

Boa noite Novelitos, hoje trago-vos uma opinião!




Sinopse

Estar sozinha na Califórnia, podia ser uma tortura ou uma aventura, e eu sabia perfeitamente que isso só dependia de mim.
Não era propriamente a América que poderia apanhar-me de surpresa depois de lá ter vivido tantos anos que chegaram ao ponto de me darem maridos e filhos. 
E muito menos os americanos...

Opinião

Quando iniciei a leitura deste livro, não sabia muito bem o que esperar, a sinopse acaba por não levantar muito o pano e a própria capa acaba por suscitar imensas interpretações, assim sendo, posso dizer que parti praticamente às cegas para esta leitura.
À medida que fui virando as páginas pude aperceber-me que este livro não é para qualquer pessoa, principalmente pelo registo escrito que a ele está associado, isto é, se (como eu) gostam de ler histórias romanceadas e com as características típicas de um texto narrativo tenho a certeza que este livro não é para vocês. Senti que a leitura não fluiu tão bem quanto esperava, apesar de encontrar uma escrita rica, por vezes metafórica, e cuidada com a apresentação de conteúdo cultural associado à literatura, nomeadamente a referência a várias obras reconhecidas que poderão incentivar ou interessar ao leitor ávido, a ausência de diálogos e de pequenas quebras textuais acabou por transformar a leitura em algo demorado e bastante aborrecido.
"Todos os caminhos" é um livro reflexivo onde a autora nos apresenta uma descrição detalhada de momentos, sentimentos e decisões vividas e  tomadas pela protagonista da história sem que haja uma tentativa de aproximação com o leitor, isto é, enquanto está a ler, o leitor tem um visão bastante periférica sobre a vida da personagem e o que a rodeia, mas não tem a possibilidade de empatizar com a mesma ou entrar em pormenor na sua vida e na sua história. Senti a falta de personagens com as quais me conseguisse identificar ou fosse capaz de associar especificamente a cada momento narrado, a ausência da identidade das mesmas acaba por tornar a narrativa confusa.
Na minha perspectiva, a autora não quis apenas contar uma história, mas sim fazer transparecer algumas das preocupações que hoje em dia poderão estar no centro dos problemas que o ser humano se vê a enfrentar. A solidão, a busca do auto conhecimento e o amor estão retratados neste livro, mas não da forma que o leitor de romance espera e talvez por isso a leitura se torne mais complexa e acabe por requerer uma atenção redobrada para se saber ler nas entrelinhas.
Confesso que este livro não é, de todo, a minha leitura de eleição e talvez por isso  não me tenha despertado  interesse suficiente para procurar ler os próximos dois volumes desta trilogia, no entanto, posso-vos dizer que se procuram um livro mais profundo e autoreflexivo aliado a uma exposição do quotidiano com o qual provavelmente se poderão ou não vir a identificar, este é o vosso livro.